Perder peso para melhorar a autoestima e ter saúde, portanto nesse blog tem tudo o que é relativo aos meus cuidados e interesses com a aparência e saúde.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Frase do dia

"Das coisas que detesto é alguém que me defina."
Menalton Braff, em seu livro Que enchente me carrega?

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Policondrite Recidivante

Poli: vários, muitos, número indefinido e elevado.
Condrite: inflamação de uma cartilagem.
Recidivante: Característica da doença que recidiva, que acontece de forma recorrente ou repetitiva.

Primeira ocorrência: Agosto de 2016. Começou a doer a orelha (apenas uma - acho que foi a esquerda), e pensei que fosse picada de algum inseto, ou que tivesse machucado com o uso do capacete. A orelha inchou muito, ficou extremamente dolorida (latejava), vermelha e quente. Fui na farmácia, e comprei uma pomada antialérgica, que não fez efeito algum, claro. Fui ao médico (clínico geral) e ele pediu alguns exames, que detectaram uma inflamação, mas que não especificaram nada. O médico me mandou fazer compressas quentes. 

Segunda ocorrência: Algum tempo depois aconteceu o mesmo na outra orelha, e isso me fez pensar que o capacete estava machucando minhas orelhas.

Próximas ocorrências: Quando aconteceu novamente percebi que tinha algo errado, que sem dúvida não envolvia picada de insetos, alergias ou mau uso do capacete. Pesquisei na internet "doenças que afetam as orelhas", e encontrei alguns artigos sobre a Policondrite Recidivante, e a descrição da ocorrências nas orelhas era exatamente o que estava acontecendo comigo. Fui a uma médica reumatologista, que solicitou alguns exames (VHS, PCR entre outros), que novamente apontaram inflamação, mas sem conseguir um diagnóstico específico. Porém a médica deu a entender que meu caso era mesmo Policondrite Recidivante, mas não me passou um tratamento ou exames mais específicos. Também procurei um otorrino, mas não adiantou nada, sem diagnóstico preciso, sem tratamento!

terça-feira, 22 de maio de 2018

Troquei o jantar por suco verde

Mesma receita do outro dia: espinafre + abacaxi + água de coco, e hoje adocei com mel, pois o abacaxi não estava muito doce. Estou tomando mais ou menos três vezes por semana.

O frio chegou!!!


E tem coisa melhor do que ter um amor nessa época?

sábado, 19 de maio de 2018

Esmalte da semana

Pra hoje um rosa lindo da La laque Bourjois, o número 6 Fuchsiao Bella:

Tenho cinco cores dessa linha (por enquanto):

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Quando me amei de verdade

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima.
Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.
Hoje sei que isso é...Autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de... Amadurecimento.
Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é... Respeito.
Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama... Amor-próprio.
Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é... Simplicidade.
Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes.
Hoje descobri a... Humildade.
Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.
Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... Saber viver!
trechos presentes no livro "When I loved myself enough"  de Kim & Alison McMillen